Tratamento para o Alcoolismo

Efeitos do Álcool

Muitos pensam que os efeitos do álcool no organismo se limitam apenas à embriaguez, porém, é muito mais do que isso.

Após o consumo, o álcool é absorvido no intestino e entra na corrente sanguínea, e assim, é transportado para todo o organismo, principalmente para o cérebro.

É claro que os efeitos imediatos dependem da quantidade de álcool e o grande problema é quando consumido com frequência, o que pode afetar a saúde física, mental, e até levar à dependência.

Portanto, para você entender o que o álcool pode causar a curto, médio e longo prazo, preparamos um pequeno guia com todas as informações.

Quais efeitos do álcool no organismo?

Para entender os efeitos do álcool no organismo, saiba que, assim que chega à corrente sanguínea, ele é levado para todas as partes do corpo, sendo o fígado que permite eliminá-lo completamente.

Como se trata de um produto psicoativo, isto é, age sobre o funcionamento do cérebro, ele modifica a consciência e as percepções.

No entanto, esses efeitos produzidos pela ingestão de álcool dependem de muitos fatores: a quantidade, a composição química da bebida, a frequência, sexo e idade.

O álcool pode provocar sérios danos à saúde física quanto psíquica, e os principais são:

  • Diminuição dos reflexos;
  • Tremores;
  • Náuseas;
  • Dores de cabeça;
  • Insônia;
  • Perda de apetite;
  • Taquicardia;
  • Aumento da pressão arterial;
  • Baixa autoestima;
  • Dificuldade de concentração;
  • Problemas de memória;
  • Agressividade;
  • Isolamento;
  • Ansiedade;
  • Depressão;
  • Cirrose;
  • Câncer.

Esses são apenas alguns efeitos, e não são poucos, que podem afetar a vida pessoal e profissional do indivíduo, no entanto, eles negam que existe um problema e que precisam de um tratamento para alcoolismo.

Cabe então aos familiares e amigos ajudarem, especialmente para garantir a sua saúde.

Quais as consequências do álcool no comportamento?

Já demos alguns exemplos de efeitos do álcool no comportamento, mas vale a pena falar um pouco mais.

O álcool modifica as reações diante de uma determinada situação, onde a pessoa se torna menos consciente de seus atos, podendo agir de forma mais agressiva, tanto em relação aos outros quanto à ela mesma.

Por exemplo, dirigir sob o efeito de álcool é a maior causa de acidentes de trânsito e morte entre jovens.

Também afeta a capacidade de impor limites, aumentando o risco de ter uma relação sexual não desejada ou sem proteção.

É importante ter em mente que a pessoa está doente e precisa de ajuda, e consultar um profissional para tratamento de dependência química é uma ótima ideia.

O que é dependência alcóolica?

Embora o álcool promova um efeito de bem-estar em muitas pessoas, o risco de desenvolver uma dependência está sempre presente, mesmo se a pessoa não tiver antecedentes de alcoolismo na família.

Um dos sinais da dependência ao álcool é o desejo de consumir frequentemente, não importa a situação.

A pessoa tem sérias dificuldades em controlar a quantidade, e mesmo sabendo de todos os efeitos do álcool, não consegue parar.

Dessa forma, quando a dependência está afetando a qualidade de vida da pessoa e de quem está à sua volta, a melhor saída é buscar uma clínica de recuperação.

Tudo o que ela precisa é de um suporte e poder superar tudo isso da melhor forma possível!

Tratamento para Dependentes Químicos

Alucinações Quais Drogas Causam e Por Que?

Todos sabemos que determinadas substâncias podem provocar alucinações, mas também pode ser uma doença mental, falta de sono e mesmo alguns alimentos.

Pessoas que usam drogas relatam que ao mesmo tempo que podem ser espetaculares, podem ser altamente terrificantes.

Geralmente, quando se pensa em alucinação, a primeira coisa que vem em mente são fenômenos visuais estranhos e experiências surreais.

Portanto, para você entender melhor quais drogas que causam, como funciona e como tratar, vamos explicar tudo aqui!

Alucinações quais drogas causam?

Em primeiro lugar, saiba que toda substância que provoque modificações das percepções até alucinações é um alucinógeno.

No caso de uma substância sintetizada, pode ser o LSD, ecstasy, por exemplo, e um alucinógeno natural pode ser uma planta, e o mais conhecido é o cogumelo.

O que todas têm em comum é, além de gerar euforia e sensação de satisfação, modificar o estado da consciência no sistema nervoso central.

O resultado é ver coisas que não existem, escutar vozes…

O que são drogas alucinógenas?

São susbtâncias químicas que provocam uma alteração de todos os sentidos e da percepção que o usuário tem do seu corpo no espaço e tempo.

A pessoa pode ter a impressão de ouvir e ver coisas que não existem realmente, além de comportamento e humor alterados.

As drogas alucinógenas mais comuns são o LSD, Ecstasy, PCP e cogumelos.

No caso do LSD, seu tempo de ação é entre 10 e 12 horas, e pela droga potencializar as percepções sensoriais, especialmente a visão, a pessoa passa a ter alucinações.

O usuário costuma dizer que enxerga e ouve coisas estranhas, além de falar coisas desconexas.

Em um primeiro momento, o usuário tem uma sensação de euforia, excitação e desinibição, bem como uma mudança na percepção da realidade.

Isso ocorre porque agem diminuindo a sincronicidade entre os neurônios e afetam os receptores de serotonina do cérebro, além do córtex visual.

Todas essas alterações são responsáveis por alterar o estado de consciência, causando distorção da percepção da realidade e desencadeando alucinações.

Quais são as consequências e perigos para a saúde?

Os principais perigos ligados ao uso de drogas que causam alucinações são doenças acompanhadas de ansiedade, assim como riscos de acidentes e intoxicações.

Na medida que os alucinógenos modificam as percepções e os sentidos, os usuários podem até se jogar pela janela, e sem falar no risco quando usados em conjunto com outras drogas, por exemplo, o álcool.

Ou seja, a total falta de percepção que o usuário tem dele mesmo e do que está à sua volta, é muito preocupante.

Por isso, para preservar a sua vida e de todos ao seu redor, existe a opção de recorrer a uma clínica de recuperação, onde o paciente é acompanhando de perto por uma equipe multidisciplinar.

Como tratar as alucinações?

Na verdade, será necessário tratar o que está causando a alucinação, e nesse caso a dependência, que é caracterizada por:

  • Perda de controle;
  • O usuário sabe os efeitos negativos, mas isso não o impede de parar;
  • Necessidade constante de consumir a droga cada vez mais.

Hoje em dia, existem abordagens novas para tratar a dependência química e alcóolica, com resultados muito satisfatórios, e uma delas é o tratamento para dependência química.

Em primeiro lugar, é necessário  diagnosticar e então orientar quanto ao tratamento mais adequado, porém, o principal objetivo é tratar a dependência, pois assim, as alucinações irão desaparecer.

Clínica de reabilitação

Ataque de Pânico o Que é?

Ainda existe muita dúvida sobre o que é ataque de pânico, cuja principal característica é uma forte crise de ansiedade associada a uma impressão de morte iminente ou de perda de controle sobre si mesmo.

Geralmente, o início é brutal e os sintomas atingem seu máximo em menos de 10 minutos, e a crise pode durar entre alguns minutos até trinta minutos, deixando a pessoa com uma fadiga intensa.

A partir do momento que você entende o que é uma crise de pânico e seus principais sintomas, consegue lidar com tudo isso e claro, buscar ajuda profissional.

Se você está desconfiando que pode estar sofrendo de crise de pânico, vamos mostrar aqui os sintomas, causas e qual a melhor maneira de tratar.

Ataque de pânico o que é?

O ataque de pânico pode ser definido como períodos súbitos de medo intenso, acompanhado de sintomas físicos e psíquicos, com um sentimento de medo iminente.

Geralmente, os sintomas atingem seu ponto máximo em até 10 minutos, podendo desaparecer em alguns minutos.

A frequência também pode variar. Enquanto algumas pessoas podem ter ataques semanais, ou até mesmo diários, outras podem passar semanas ou mesmo sem crises.

Os episódios podem ser tão intensos que as pessoas acabam se isolando em casa para tentar evitar um novo ataque.

Quais as causas de crises do pânico?

A crise de pânico pode ocorrer em situações como transtorno de ansiedade, fobia social, estresse pós-traumático, depressão ou mesmo sob o efeito de certas drogas.

Por isso, é normal pacientes em tratamento para dependência química apresentarem ataque de pânico, sendo necessário um acompanhamento mais de perto.

As crises de pânico são provocadas pela liberação de adrenalina no organismo, porém, não existe um consenso sobre as causas exatas.

Conheça os sintomas de ataque de pânico

Quanto aos sintomas de ataque de pânico, podemos dividir em 4 tipos: físicos, psicomotores, psíquicos e neurovegetativos.

Vamos explicar cada um deles:

Sintomas físicos

São sintomas que podem variar de pessoa para pessoa, no entanto, os mais frequentes são:

  • Palpitações;
  • Tremores;
  • Dificuldades respiratórias, com sensação de sufocamento;
  • Sensação de vertigens;
  • Dores no peito;
  • Diarreia.

Sintomas psicomotores

Eles se manifestam sob uma forma de inibição ou perda de iniciativa, podendo ir até uma paralisia total.

Por outro lado, a pessoa pode não conseguir ficar sentada em um lugar, bem semelhante ao que alguém pode sentir ao longo do tratamento para alcoolismo.

Sintomas psíquicos

Os sintomas psíquicos de uma crise de pânico associam:

  • Sensação de perigo, catástrofe e mesmo morte iminente;
  • Uma amplificação dos estímulos do ambiente;
  • Uma despersonalização, com impressão de transformação corporal;
  • Incapacidade de fixar a atenção;
  • Sensação de que as coisas não são reais;
  • Impotência para agir e pensar.

Sintomas neurovegetativos

Os sintomas neurovegetativos mais frequentemente encontrados são:

  • Sudorese;
  • Palidez;
  • Rubor do rosto;
  • Ondas de calor;
  • Secura da boca.

Como tratar ataque de pânico?

Após o médico ter diagnosticado que se trata de ataque de pânico, normalmente o tratamento consiste em uso de antidepressivos e/ou ansiolíticos, juntamente com psicoterapia.

Embora algumas pessoas nem precisem de tratamento, dependendo da intensidade e frequência das crises, talvez seja necessária uma intervenção mais incisiva, até mesmo buscar uma clínica de recuperação.

O objetivo é minimizar os sintomas e reduzir as crises, onde a ajuda de um profissional qualificado é essencial!

Clínica de reabilitação

Sinais de Crise de Ansiedade: Como identificar?

É importante estar atento aos sinais de crise de ansiedade, e dependendo da intensidade e frequência, o melhor a fazer é procurar uma ajuda profissional.

Obviamente, as pessoas podem se sentir ansiosas ao longo da vida. Isso é absolutamente normal!

A questão é quando essas crises se tornam mais frequentes e começam a impactar a vida pessoal e profissional.

Para você entender melhor o que é uma crise da ansiedade, o que causa e aprender a identificar os sinais, reunimos aqui as principais informações!

O que é uma crise de ansiedade?

A crise perigosa da ansiedade se traduz por uma situação de mal estar, medo, uma sensação de que algo ruim está prestes a acontecer, dificuldade para respirar…

Quando isso se torna mais intenso e frequente, vem acompanhado de sintomas físicos variados, que são sinais de crise de ansiedade.

Durante a crise, a pessoa tem a sensação de não conseguir controlar a situação.

Quando o episódio é isolado, chamamos de ansiedade aguda, porém, quando a crise se repete, é um ataque de pânico.

Quais as causas?

Geralmente, a crise de ansiedade ocorre em pessoas mais vulneráveis às circunstâncias do ambiente e ao estresse.

Os sinais de ansiedade podem surgir de forma espontânea, mas também após um fator desencadeante como:

  • Um estresse intenso;
  • Após um período de fadiga ou problema emocional;
  • Uso de produtos tóxicos ou estimulantes;
  • Uso de certos medicamentos;
  • Abstinência de certas substâncias como álcool, opiláceos, etc.

Por exemplo, durante o tratamento para alcoolismo, é necessário estar atento aos sintomas de uma possível crise de ansiedade, de forma a não interferir na recuperação.

Sinais da crise da ansiedade como identificar?

Apenas para você saber, a duração de uma crise perigosa de ansiedade pode durar de alguns minutos a uma hora, em média, de 20 a 30 minutos.

Os sinais da ansiedade são diversos:

  • Dores no peito;
  • Medo de perda da razão e controle de si mesmo;
  • Calorões;
  • Sensação de sufocamento;
  • Palpitação;
  • Náuseas e vômitos;
  • Sensação de vertigem;
  • Taquicardia;
  • Tremores;
  • Dor de cabeça;
  • Medo sem motivo.

Esses sintomas aumentam a ansiedade da pessoa, que pode assim ter reações diferentes, como fuga do lugar, agitação descontrolada, pedido de ajuda ou mesmo uma espécie de paralisia.

Muitos desses sintomas também ocorrem em pacientes em tratamento para dependência química, especialmente no momento de abstinência.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico não é muito fácil, em razão de alguns sinais do problema da ansiedade lembrarem os sintomas de um ataque cardíaco.

Muitas vezes, durante um ataque de ansiedade, a pessoa acaba recorrendo a um serviço de emergência porque acha que está morrendo, e, na verdade, não tem nenhum problema físico.

Por exemplo, é comum em uma clínica de recuperação, os pacientes apresentarem sintomas de ansiedade, onde a equipe médica vai avaliar para descartar qualquer doença cardíaca.

Por isso, é essencial que o diagnóstico seja feito por um profissional habilitado, caso contrário, a pessoa pode levar até anos para receber o diagnóstico de crise de ansiedade.

Tratamento para o Alcoolismo

Como Parar de Beber Cerveja?

Você deseja parar de beber cerveja e não faz a mínima ideia por onde começar?

É difícil renunciar a algo que gostamos e algumas pessoas têm muita dificuldade em parar de tomar bebidas alcóolicas.

Esse é o caso de pessoas que precisam se internar em uma clínica de recuperação, uma vez que não conseguem largar o vício sozinhas.

Você pode começar preparando um plano, criando hábitos mais saudáveis, pois isso te ajudará a diminuir a vontade de beber.

Por isso, vamos mostrar aqui algumas maneiras que podem ajudar bastante nesse momento, tornando esse processo muito mais fácil.

Como parar de beber cerveja?

Em um primeiro momento, pode ser um pouco complicado parar de beber cerveja, principalmente se você tem o hábito de beber com frequência.

No entanto, com esse passo a passo, vai ser muito mais fácil do que imagina:

Ter bem claro porque deve parar

Mesmo se o consumo de cerveja com moderação não seja um problema para a maioria das pessoas, pode ser um se você bebe em excesso.

Um consumo em excesso, a longo prazo, pode causar obesidade, problemas cardíacos, no fígado, pâncreas e sistema digestivo, assim como problemas neurológicos.

Pode também afetar seu julgamento, seus relacionamentos e provocar uma sensação de fadiga.

Se você deseja parar completamente seu consumo de cerveja, pode ser útil identificar os motivos pelos quais levaram você a fazer essa escolha.

Por exemplo, pelos efeitos negativos na sua saúde ou porque está afetando seu trabalho e relacionamentos.

Nesse mesmo contexto, ter esses motivos bem claros é o que garante o sucesso de um tratamento para alcoolismo.

Pesquisar sobre métodos que ajudam a parar de beber cerveja

Vale a pena conversar com um profissional de saúde para saber a melhor maneira de parar de beber cerveja.

Dependendo da quantidade que você bebe e o grau da dependência, você pode tentar parar pouco a pouco ou de uma única vez.

Agora, se você parar de uma hora para outra, poderá ter alguns sintomas de abstinência.

Por isso é importante conversar com um profissional para avaliar a sua saúde e ajudá-lo a encontrar um plano que funcione melhor para você.

Escreva um plano e deixe-o em um lugar bem visível

Depois que você já sabe qual método seguir, escreva as etapas que você deve seguir para parar de beber cerveja.

Faça várias cópias e espalhe em locais onde você possa ver seu plano todos os dias, por exemplo, na porta da geladeira ou no espelho do banheiro.

O que você pode colocar nesse plano?

  • Evitar sair com os amigos após o trabalho;
  • Deixar de comprar cerveja;
  • Fazer atividades nos momentos em que tinha o costume de beber cerveja.

Além disso, se você decidiu parar progressivamente, inclua uma data limite para parar de vez.

Acompanhe seu progresso

Escreva todas as recaídas, mas também o que deu certo.

Quando estiver perto da data que você estabeleceu, avalie os resultados e revise seu plano, se necessário.

Aproveite e tire lições de sua experiência.

Fale do seu plano para as pessoas de sua confiança

Converse com as pessoas com as quais convive e que podem te ajudar.

Pode ser sua família, seus amigos, pois podem ajudá-lo a ficar focado no seu objetivo e o motivando para continuar na sua meta de parar de beber cerveja.

Da mesma maneira que ocorre ao longo do tratamento para dependência química, é essencial ter o suporte de familiares e amigos.

Enfim, essas estratégias funcionam muito bem, e mesmo que, às vezes, você pense em desistir, pense em tudo o que vai ganhar ao parar de beber cerveja.

Tratamento para o Alcoolismo

Transtornos Mentais causados pelo Álcool

Os transtornos mentais causados pelo álcool são diversos, especialmente no caso de dependência prolongada.

Ou seja, o consumo excessivo de álcool está frequentemente associado a problemas psíquicos, principalmente a ansiedade e depressão.

Por isso que é tão importante o acompanhamento de perto, e dependendo da gravidade dos transtornos, iniciar logo o tratamento para alcoolismo, sobretudo para evitar danos maiores.

Se você conhece um dependente alcóolico, vale a pena conhecer quais são esses transtornos mentais e assim, poder saber como ajudar.

Qual a ligação entre álcool e saúde mental?

Como já foi dito, os principais transtornos mentais causados pelo álcool são a ansiedade e depressão.

No entanto, esses transtornos são a causa ou consequência do alcoolismo?

Um consumo significativo de álcool pode desencadear uma depressão, da mesma forma que uma pessoa deprimida ou ansiosa pode procurar no álcool uma maneira para aliviar sua ansiedade ou depressão.

Além disso, mesmo se o consumo de álcool parece promover um bem-estar imediato, não resolve as dificuldades da pessoa. E, a longo prazo, pode piorar a depressão ou ansiedade.

O ideal é fazer com que não chegue a esse ponto, sendo recomendado o tratamento em uma clínica de recuperação.

Na verdade, o álcool afeta os indivíduos de maneira diferente, e alguns fatores podem contribuir para desencadear transtornos mentais, como a quantidade, a rapidez de absorção, o sexo e a idade, entre outros.

Quais os transtornos mentais causados pelo álcool?

O consumo excessivo de álcool pode provocar diversos transtornos mentais. Estudos mostram que os alcóolicos apresentam uma maior chance de desenvolver problemas mentais do que os não alcóolicos.

Especialistas relatam que existem três grandes transtornos mentais causados pelo álcool:

  • Transtornos de personalidade: há uma maior prevalência de ter uma personalidade antissocial. Em mulheres, há uma forte associação entre alcoolismo e todos os tipos de transtornos alimentares;
  • Transtornos de humor e ansiedade: a depressão é bem frequente entre os alcóolicos, aumentando a chance de suicídio, assim como transtorno de pânico e fobia social;
  • Esquizofrenia: embora não tendo ligação com a intoxicação, a esquizofrenia é mais observada em pessoas alcóolicas que na população em geral.

Justamente por esses transtornos causados pelo álcool, é crucial que a pessoa seha submetido a um tratamento para dependência química, especialmente para não causar consequências mais graves.

Quais os efeitos do consumo de álcool no cérebro?

O álcool é uma substância psicoativa que afeta o cérebro e as substâncias químicas estão diretamente implicadas nas ações e no humor.

A curto prazo, um consumo moderado e ocasional pode ter um efeito relaxante. Diversas pessoas gostam de beber porque isso proporciona prazer e experiências sociais mais agradáveis.

Contudo, se o consumo é mais frequente e em maiores quantidades, o bom humor pode se deteriorar rapidamente e dar lugar à tristeza e depressão.

A longo prazo, o álcool pode ter um efeito permanente sobre a saúde mental, podendo agravar o estresse, a ansiedade, e provocar outros transtornos mentais.

Além dos transtornos mentais causados pelo álcool, seu consumo pode provocar problemas de atenção, concentração, memória e as capacidades de abstração e funções executivas.

Portanto, buscar ajuda profissional é a solução para evitar consequências mais sérias.

 

Tratamento para Dependentes Químicos

Como Saber se a Pessoa Usa Droga?

Às vezes, não é tão simples saber se a pessoa usa droga, seja alguém próximo ou não, no entanto, alguns sinais podem ajudar a reconhecer se isso está realmente acontecendo.

No entanto, é importante que se adote uma abordagem proativa para determinar quando existe um problema real que possa colocar em perigo a vida da pessoa.

Nesse caso, recomenda-se o tratamento em uma clínica de recuperação, principalmente para evitar consequências mais graves.

Então, se você desconfia que um amigo ou familiar está consumindo drogas, é essencial prestar atenção a determinados sintomas e se for realmente confirmado, buscar ajuda o mais rapidamente possível.

Como saber se a pessoa usa droga?

Na maioria das vezes, a dependência alcoólica ou de drogas causa consequências nefastas em todos os aspectos da vida da pessoa: nas suas relações, no trabalho, no seu estado físico e na sua saúde mental.

Quando a pessoa usa droga pode também se isolar, aumentando o risco de depressão, ansiedade e overdose.

Esse círculo vicioso pode se tornar extremamente destrutivo, sendo importante conhecer os sinais e sintomas a fim de intervir rapidamente, como buscar tratamento para dependência química.

Confira, a seguir, como reconhecer esses sinais e sintomas.

Quais os sinais e sintomas físicos da pessoa que usa droga?

Veja quais os sintomas físicos que ajudam a mostrar que uma pessoa está consumindo drogas:

  1. Mudança inexplicável nas atividades da vida diária de uma pessoa:
  • Alteração repentina de apetite, acarretando uma perda ou ganho de peso;
  • Problemas de sono, seja insônia ou dormir demais;
  • Falta de higiene pessoal.
  1. Náuseas, vômitos ou suor excessivo.
  2. Olhos vermelhos ou pupilas dilatadas.
  3. Hiperatividade extrema.
  4. Sangramentos nasais ou tosse seca.
  5. Marcas de picadas de seringas nos braços ou pernas.
  6. Falta de energia.
  7. Humor ansioso ou depressivo.

Portanto, se você perceber alguns desses sintomas, é um forte indicador que a pessoa está usando drogas, e talvez seja necessário um tratamento para alcoolismo.

Aprenda a reconhecer os sintomas comportamentais

Além de todos os sintomas listados acima, alterações no comportamento são evidentes se a pessoa usa droga, onde os principais incluem:

  • Mudanças de humor inexplicáveis;
  • Uso sistemático de substâncias nas horas mais inapropriadas;
  • Falta de responsabilidade no trabalho ou vida pessoal;
  • Roubo ou pedido de empréstimo a terceiros;
  • Perda de interesse pelas atividades habituais, principalmente aquelas que eram prazerosas anteriormente;
  • Irritabilidade;
  • Falta de concentração e problemas de memória.

É importante mencionar que muitas pessoas que abusam do álcool, abusam também de outras drogas.

Nesses casos, pode representar uma situação clinicamente muito complexa, sendo necessária uma intervenção especializada.

O que fazer para ajudar uma pessoa que usa droga?

Em primeiro lugar, as pessoas que estão perto de um dependente também sofrem direta ou indiretamente, e precisam igualmente de ajuda.

Ao lidar com uma pessoa que usa droga, a chave é ter muita paciência e não culpar a pessoa, uma vez que a dependência não tem relação com fraqueza ou um problema de caráter.

É essencial buscar ajuda profissional, a fim de dar as orientações de qual é a melhor maneira de lidar com o dependente, principalmente para evitar um risco maior à sua integridade física.

Tratamento para Dependentes Químicos

Como Ajudar um Dependente Químico?

Você não sabe como ajudar um dependente químico, seja um membro de sua família ou um amigo?

Particularmente nesse período, o isolamento e o distanciamento físicos provocam fortes tensões, sendo muito difícil conversar.

Além disso, a maioria dos dependentes não se dá conta que têm um problema e por isso não buscam ajuda.

Isso é o mesmo que acontece quando propomos um tratamento para dependência química, pois geralmente as pessoas não aceitam.

Você pode ter uma conversa franca com a pessoa para que ela saiba que você constatou um problema, e que é prejudicial continuar a viver dessa maneira.

Nesse artigo, você vai aprender maneiras eficazes de ajudar alguém próximo a se livrar do vício.

Quais as consequências da dependência química?

Antes de saber como ajudar um dependente químico, você sabia que além do sofrimento dos dependentes, suas famílias e amigos sofrem também?

Por exemplo, pais de dependentes têm um risco maior de sofrer de problemas psicológicos, principalmente depressão e ansiedade.

Também filhos de um pai que é dependente, desenvolvem com mais frequência problemas de saúde mental e déficits cognitivos, assim como problemas de comportamento e dificuldades na escola.

São igualmente mais suscetíveis de desenvolver problemas ligados ao consumo de substâncias, sendo muitas vezes necessário recorrer a uma clínica de recuperação para se tratar.

O dependente deve ser confrontado com suas responsabilidades e levado a assumir todas as consequências de seus atos e do seu consumo abusivo.

Como ajudar um dependente químico?

Primeiramente, ao falar com alguém que é dependente, a chave é escutar sem julgar, com empatia e respeito.

É importante que ele se sinta ouvido e que seu sofrimento seja entendido, e que ele compreenda que você só quer o melhor para ele porque você o ama.

Lembre-se que a vergonha, o medo, a dor, a impotência, o remorso e o desespero fazem parte dessa dependência, e é seu papel é fazer com que o dependente químico se sinta conectado, amado e apoiado.

Separamos algumas ideias que funcionam muito nesse momento:

  • Você deve fazer com que ele tome consciência do mal que a dependência causa, e mostrar as vantagens de largar o vício ou mesmo diminuir o consumo;
  • Às vezes, ele pode negar que há um problema, e a dica é lhe dizer que é ele quem decide mudar ou não, ninguém pode tomar a decisão no seu lugar;
  • Lembre que você está lá para o que ele precisar e vai dar todo o apoio ao longo de todo o tratamento para alcoolismo;
  • Não impor, propor ou sugerir soluções prontas, mesmo se pareçam as melhores.

Muitas vezes, é necessário que você busque ajuda para si mesmo, uma vez que conviver com um dependente químico pode adoecer toda a família.

Assim, pode ser útil buscar ajuda profissional para aprender a lidar com a situação.

Vale a pena ajudar um dependente químico?

Claro que vale a pena ajudar um dependente químico, mas é importante que você não se sinta culpado se não conseguir.

Agora, dependendo da dependência, é crucial buscar ajuda de um profissional habilitado, e assim, dar as orientações de como agir.

Muitas vezes, a internação será necessária, especialmente nos casos onde a vida do dependente está em risco.

Por isso, não hesite e procure ajuda o mais rapidamente possível!

Clínica de reabilitação

Os efeitos do uso da maconha no corpo!

Os efeitos do uso da maconha no corpo podem variar de acordo com as características do usuário, com seu estado de espírito, com o ambiente em que o consumo ocorre e também com as características da droga, segundo o biólogo Lucas Maia, doutorando em Saúde Pública da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e pesquisadora do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid).

O especialista é coordenador do grupo multidisciplinar “Maconhabras”, que, sob a supervisão do médico Elisaldo Carlini, professor da Unifesp, reúne pesquisadores de várias instituições interessadas principalmente no uso medicinal da Cannabis sativa. Maia conversou com o G1 sobre os efeitos fisiológicos e psicológicos da droga, cuja venda e cultivo regulamentados por lei foram aprovados nesta terça-feira (10) no Uruguai. Veja abaixo algumas das ações da maconha no corpo humano:

Atividade locomotora
A maconha geralmente promove uma diminuição da atividade motora, fazendo com que a pessoa se mova menos e possa atingir um estado de sonolência. No entanto, dependendo da dose de tetra-hidrocanabinol (THC) – o ingrediente ativo com os efeitos mais pronunciados da maconha – a reação também pode ser o oposto, levando a uma sensação de euforia e movimentos intensificados.

Para isso temos a Clínica de Tratamento para dependência química e alcoólatra!

“Qualquer coisa que envolva os efeitos da cannabis pode parecer ambígua. Há análises que mostram que esses efeitos são bidirecionais, dependendo da dose, do indivíduo e do ambiente ”, diz Maia.

Frequência cardíaca
Especialmente em pessoas que usam o medicamento pela primeira vez, pode haver um aumento na freqüência cardíaca. “Não é um efeito que pode levar a um ataque cardíaco, por exemplo, mas é um aumento muito evidente. A pessoa pode se sentir desconfortável e ansiosa, e isso pode ser um risco no caso de indivíduos com histórico pessoal ou familiar de ansiedade ou transtorno do pânico ”, explica o biólogo.

Diminuição da temperatura e aumento do apetite
Assim como a maconha causa uma diminuição da atividade motora, também leva a uma diminuição da temperatura corporal, o que cria um quadro de hipotermia. Também pode estimular o sistema digestivo e aumentar o apetite. Boca seca e olhos vermelhos também são alguns dos efeitos observados após o uso.

Humor
Quanto aos efeitos no humor do usuário, o medicamento pode causar relaxamento e calma, bem como um sentimento de ansiedade e angústia. Novamente, isso depende das características do usuário e da substância. “A maconha com maior concentração de THC tende a induzir reações de ansiedade com mais frequência, em comparação com a maconha com menor concentração de THC, segundo estudos”, compara Maia. Quando o usuário tem um histórico médico de ansiedade, os riscos do medicamento que suscitam emoções negativas são maiores.

Pulmões
O cigarro de maconha contém muitos dos componentes também presentes no cigarro comum. Para comparar os efeitos do tabaco e da maconha na função pulmonar, Maia cita um estudo publicado na revista científica “The Journal of the American Medical Association” (Jama) em 2012.

Os pesquisadores investigaram a associação entre o uso de maconha e os possíveis efeitos adversos na função pulmonar em mais de 5.000 pessoas. Os resultados mostraram que o uso intenso por longos períodos (mais de 10 anos) foi associado a um declínio na capacidade pulmonar. No entanto, o uso moderado, por até 7 anos, não causou grandes danos aos pulmões, diferentemente do observado em fumantes comuns que, com a mesma frequência de uso, já apresentavam fortes efeitos adversos.

Memória
A maconha prejudica principalmente a memória de curto prazo e a chamada memória de trabalho. “Estes são efeitos transitórios, especialmente durante o uso. Mas, se pensarmos que uma pessoa usa a droga todos os dias, ela estará sob esse efeito prejudicial o tempo todo e não reterá informações ”, diz o pesquisador. Maia diz que após 28 dias sem usar a substância, as funções de memória e cognição são estabilizadas novamente.

Dependência
Maia diz que, embora existam casos de dependência de maconha, ainda não foram realizados estudos clínicos que demonstrem claramente quais são os mecanismos desse tipo de dependência. “É um estudo difícil de ser realizado. O que se sabe é que 5% a 8% dos usuários de drogas são dependentes. O percentual é baixo em comparação com outras substâncias, como nicotina, cocaína ou heroína ”, diz ele.

O vício, no caso da maconha, pode ser caracterizado pela necessidade de aumentar a dose para obter os mesmos efeitos e também por sintomas de abstinência, como irritabilidade, falta de apetite e insônia.

Uso terapêutico
Foi comprovado que a eficácia do uso terapêutico da maconha reduz os efeitos colaterais da quimioterapia contra o câncer, aliviando náuseas e vômitos. Para pacientes com AIDS terminal, com falta de apetite, o medicamento também pode estimular a fome e proporcionar uma melhor qualidade de vida à pessoa.

Tratamento para Dependentes Químicos

As drogas afetam agressivamente o corpo…

As drogas são substancias perigosas, que podem causar muitas doenças e até mesmo gerar uma dependência química…. Resultando em necessidade de internação em uma clínica reabilitação para drogados! A medicação funciona principalmente no sistema nervoso central, que é responsável pela coordenação de todas as funções corporais. As suas células são permanentes, ou seja, não são substituídas para toda a vida como outros órgãos do corpo humano. Isso significa que o uso de drogas afeta agressivamente o corpo e às vezes causa danos irreversíveis.

Quando agem no sistema nervoso central (SNC), as drogas são chamadas psicotrópicas. Eles podem ser divididos em três grupos, dependendo da atividade que exercem sobre o cérebro: Depressores, que reduzem a actividade do sistema nervoso central. O utilizador destas drogas torna-se “incoerente”, “lento”, desinteressado (álcool, barbitúricos, drogas são exemplos destas drogas). Os estimulantes são responsáveis por aumentar a actividade cerebral. A pessoa que toma estas drogas está “ligada”, “elétrica”, sem dormir (anfetaminas e cocaína). E finalmente, drogas alucinógenas ou alucinógenas que mudam qualitativamente a atividade cerebral; elas não aumentam ou diminuem a atividade cerebral. O SNC começa a funcionar a partir do seu estado normal (maconha, cogumelos, LSD, ecstasy).

A maioria das drogas alucinógenas vem de plantas. No passado, essas plantas eram, na sua maioria, descobertas por culturas primitivas que, quando sentiam seus efeitos espirituais, começaram a considerá-las como “plantas divinas”, ou seja, faziam com que aqueles que as levavam recebessem mensagens divinas dos deuses, porque elevavam o homem a uma dimensão imaterial e causavam alucinações. Desta forma, estes povos e culturas acreditavam em seus rituais de contato com as forças da natureza e seus deuses.

Nos anos sessenta, o uso de drogas disruptivas foi popularizado pelo movimento hippie. Este fenómeno sócio-cultural foi uma revolta contra os valores exclusivamente competitivos e materialistas integrados no modo de vida das sociedades industriais, ofuscando os sentimentos mais íntimos e as necessidades místico-religiosas. Naquela época, cresceu o número de pessoas que começaram a usar drogas alucinógenas como uma expressão simbólica de seus ideais.

Hoje, os jovens estão no centro dos programas de prevenção e combate ao uso de drogas. Entre os fatores que provocam o uso de drogas entre os jovens, os mais importantes são as emoções e sentimentos associados ao intenso sofrimento mental, como depressão, sentimentos de culpa, ansiedade excessiva e baixa auto-estima. O uso de drogas está intimamente ligado ao crime.

As drogas perturbadoras interferem com vários tipos de neurotransmissores. Não são nem estimulantes, nem depressores clássicos. Podem afectar o pensamento lógico e a memória ou afectar os reflexos e a velocidade de reacção e, dependendo da droga e da dose, podem levar a distorções sensoriais (ver, sentir, provar, tocar, cheirar) a alucinações. Eles também podem ser conhecidos como alucinógenos, psicodélicos, psicotrópicos, psicóticos, psicodislépticos e psicometamórficos. Eles estão divididos em dois grupos, herbal e sintético.

Não há uma explicação convincente para a busca de drogas. Sabe-se pela história que elas eram usadas em culturas antigas para contatar os deuses e experimentar uma sensação de prazer, no caso das drogas herbais, e que no passado mais distante, agora que eram drogas sintéticas, eram legalmente usadas como drogas como anestésicos, supressores de apetite e outras.

A necessidade de proibir o uso dessas drogas está relacionada aos danos que elas causam ao sistema nervoso central do usuário, como mostram estudos realizados em vários países. No entanto, ainda há pouca informação detalhada sobre como os químicos afectam o cérebro. No entanto, é possível aumentar alguns dos danos, tais como deficiência e perda de memória, aprendizagem verbal, capacidade de atenção, etc., que podem ser causados por drogas.

Portanto, é de grande valor ter a capacidade de compreender o que acontece no cérebro de uma pessoa que tem um certo tipo de dependência química ou que usa essas drogas, sejam elas viciantes ou não, sabendo que é um hábito que causa certos tipos de danos à saúde do indivíduo, tanto a curto como a longo prazo. É essencial que os profissionais de saúde mental da comunidade, particularmente os enfermeiros, tenham o bom senso de desempenhar as suas funções com uma visão holística e de reforçar o conceito de saúde mental.

Navegação por posts